Rede social protegida no Wall Street Journal

Fiquei sabendo via Travessias Digitais que o WSJ.com bateu recordes de tráfego recentemente. A avalanche de usuários veio por conta da crise financeira, mas, pelos vistos, eles permaneceram no site devido ao novo e impecável desenho das páginas. O editor do jornal, Alan Murray (foto), abordou este assunto em um entrevista, em vídeo, realizada para Andy Plesser, da Beet.tv.

Na conversa, Alan também fala da lógica que presidiu à criação de uma “rede social protegida”, na qual só assinantes do jornal, usando o seu nome real, podem entrar e participar.

Alan explicou que o WSJ já notou, desde já algum tempo, que há um grupo de leitores do jornal bem qualificado, engajado, que lê o jornal diariamente; e que este grupo mais “especial” teria, na concepção deles, condições de contribuir com as discussões apresentadas pelo publicação em papel. Para isso, precisariam de um espaço próprio para esta conversação.

O WSJ.com criou então um espaço online para isso, chamou de Journal Community, e determinou que as  contribuições devem ocorrer apenas entre os assinantes do jornal,  sem anonimato. Os usuários-assinantes, assim, aparecem com os seus nomes reais. “Nós forçamos esta “real name policy””, ele disse, “para elevar o nível da conversa”. Segundo o editor, está funcionando bem. Existem, no momento, algumas centenas de assinantes por lá. Ele falou que é um espaço mais “clean” (no sentido de não ter sujeira, creio eu).

O amigo Helder Bastos, do Travessias, disse que “A ideia de criar comunidades à volta dos ciberjornais não é nova, mas parece estar a ganhar novo fôlego. Talvez por causa do sucesso galopante das grandes redes, como Facebook, MySpace, Hi5 e outras”.

(Daniela Bertocchi) 

 

home page do WSJ em 24 de Setembro de 2008
home page do WSJ em 24 de Setembro de 2008