Resultados preliminares do ‘EyeTrack 2007’

Já estão disponíveis no site do Poynter os primeiros resultados da edição 2007 do EyeTrack, cuja versão final só chega a público na primeira quinzena de abril.

A principal “revelação” deste ano seria o fato de o usuário não ser um leitor tão superficial como se pensava. De acordo com a pesquisa, esses leitores escolhem as notícias que mais agradam seus interesses e depois mergulham nelas com profundidade:

Readers select stories of particular interest and then read them thoroughly. And there’s a twist: The reading-deep phenomenon is even stronger online than in print. At a time when readers are assumed to have short attention spans, especially those who read online, this qualifies as news.

Para quem não conhece, o EyeTrack é um estudo anual que analisa basicamente a diferença entre a leitura de notícias impressas e digitais. Apesar do trabalho sério e pioneiro, eu sempre questionei a validade deste relatório, pois considero o universo pesquisado muito pequeno e restrito.

Ele é importante? Sim. Mas não deve ser tratado como verdade absoluta aplicável a todo jornalismo digital como o Poynter costuma alardear os resultados do relatório anualmente (vide a manchete do artigo citado acima). Afinal, 600 pessoas de quatro cidades norte-americanas estão longe de representar o universo total de usuários da internet.

Por esse motivo, penso que os resultados do EyeTrack devem ser encarados apenas como tendências ou pontos de atenção, mas nunca como regras para definir como se deve ou não fazer jornalismo na web. Afinal, já vi muitos e muitos utilizarem o estudo para esse fim.

Advertisements

3 thoughts on “Resultados preliminares do ‘EyeTrack 2007’

  1. Oi André,
    Então, eu costumo ler os resultados de eye-tracking mais para pensar um texto eficiente pra cada tipo de mídia. Principalmente quando leio um resultado que se parece muito com aquilo que eu mesma faço [na web] – scanear textos, atenção principalmente nas primeiras e últimas linhas! 🙂

  2. É isso mesmo. Mas muita gente interpreta os resultados com a verdade absoluta sobre o universo de usuários do mundo. Alguns outros blogs já repercutiram o assunto e em todos a tônica é “pesquisa revela que os leitores de internet lêem textos com profundidade”.

    Não são “os leitores de internet” e sim 600 leitores pesquisados, um universo muito pequeno para projetarmos para toda imensidão de usuários de internet no mundo. Entretanto, este é um ponto a se pensar ao discutir jornalismo digital e que deve ser aprofundado com mais pesquisa.

    Na verdade, penso que as pesquisas em jornalismo, pelo menos uma boa parte delas, deveriam se espelhar mais nas ciências exatas e biológicas. Nenhum laboratório que se preze vai anunciar que descobriu a cura da AIDS se o remédio deles calhou de curar a doença em apenas 600 pessoas. Anúncios desse tipo só são feito quando os testes dão certo em populações muito maiores. Como você mesma me disse no BarCamp, se ainda existe muito achismo no jornalismo, quiça no jornalismo digital.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s